A ESCOLA PARQUE DA BAHIA, 70 ANOS

Imprimir

Como o Brasil geralmente importa modelos pedagógicos, quando pensamos em educação em tempo integral ou em educação popular pensamos em escolas europeias.

Devido ao nosso relativo desconhecimento da história da educação escolar no Brasil, raramente alguém menciona a Escola Parque de Salvador da Bahia, que neste ano completa 70 anos.
Por que essa Escola Parque merece ser rememorada neste ano do seu septuagésimo aniversário?

Durante a gestão do governador Otávio Mangabeira (1947-1951), o secretário da Educação e Saúde do estado da Bahia era o educador Anísio Teixeira, que concebeu a implantação de nove centros de educação popular, mas somente um foi concretizado.

Trata-se do Centro Educacional Carneiro Ribeiro, inaugurado em 21 de setembro de 1950 em uma área socialmente vulnerável da cidade de Salvador.

O patrono desse centro educacional, Ernesto Carneiro Ribeiro (1839-1920), era afrodescendente e atuou profissionalmente como médico, linguísta e professor.

Sobre a estrutura do Centro Educacional Carneiro Ribeiro, a historiadora Clarice Nunes afirma que “o projeto de construção do Centro comportava quatro escolas-classe de nível primário para mil alunos cada, com funcionamento em dois turnos; uma escola parque, com sete pavilhões destinados às práticas educativas, onde os alunos completavam sua educação no turno alternado ao da classe.

Aos alunos do centro era oferecido um dia completo de permanência em ambiente educativo”.

Nos quatro grandes edifícios em que era ministrada a escolarização regular eram frequentados por 500 alunos pela manhã e o mesmo número pela tarde.

No contraturno, os alunos eram enviados para a Escola Parque onde realizavam atividades educativas como trabalhos manuais, artes industriais, educação artística, educação física e práticas socializantes, entre outras.