Repúblicas na Idade Média e na Idade Moderna?

Imprimir


Na última edição ao falar sobre as eleições americanas mencionei a existência de repúblicas com eleições durante a Idade Média e a Idade Moderna (época dos reis, palácios, navegações, etc). Certamente esse era um assunto que merecia um artigo a parte. Portanto vamos a novas informações.

Não há como negar a importância dos Estados Unidos e da revolução francesa para a volta do sistema republicano de governo (surgido em Roma) ou da ideia de democracia (surgida em Atenas na Grécia antiga) .... Mas, apesar de muita gente nesses dois países não gostarem muito que se fique mencionando essas outras repúblicas, elas não só existiam como muitas foram sucessos por séculos a fio, mas quase sempre tiveram fins trágicos.

República de Novogorod

Talvez a história mais interessante e impressionante delas seja Novogorod. A Rússia medieval (assim como quase toda a Ásia e leste europeu) foi invadida pelos Mongóis na época de Gengis Khan e Kublai Khan. Acontece que o norte da Rússia conseguiu escapar a invasão e acabou formando uma república (relativamente bem extensa por sinal).
A organização deles era bem diferente das nossas modernas. A eleições eram por profissão. Os sapateiros elegiam o “prefeito” dos sapateiros, os padeiros o seu “prefeito” e assim por diante. A união de todos os eleitos por profissão se unia em um conselho para governar a cidade e por sua vez escolhiam um príncipe que comandava o exército e tinha poder até ser destituído pelo conselho (apenas os representantes da igreja não eram eletivos, mas podiam também votar no conselho) Conseguiram assim prosperar economicamente e se defender militarmente por séculos, até que Moscou conseguiu sua independência dos mongóis e acabou conseguindo recapturar Novogorod para o Império russo que estava se formando.

República Holandesa

Pouca gente sabe mas a Holanda (que era parte do “Sacro Império Romano Germânico” dominado pelos reis Espanhóis como Carlos V e Felipe II) após conseguir a sua independência apoiada pela rainha Elisabeth I (em 1588) decidiu adotar um governo republicano e não uma monarquia. E assim ficaram até 1795. E por incrível que pareça o que derrubou a república holandesa foi justamente a França republicana, que em suas expansões acabou incorporando a Holanda através da Revolução Bataviana (claro que ao ser anexada a república francesa ela continuou sendo uma república mas ... com a derrota da França nas guerras napoleônicas a Holanda deixou de ser uma república também)

Antiga República Suiça

Talvez mais impressionante ainda seja saber que por volta de 1380 a Suiça se transformou em uma república. A Europa estava bem dividida nessa época. Em Anos anteriores o rei da França tinha conseguido “capturar” o papa e mudou a sede da Igreja Católica para a cidade francesa de Avignon, e em 1380 o papa da época consegue retornar para Roma onde morre.
Tanto na França como em Roma elegem-se papas diferentes, criando o chamado Cisma do Ocidente, dois papas que conseguem alianças de reis opostos e começam uma terrível disputa na Europa que duraria até 1415 mais ou menos.
Aproveitando o seu isolamento físico pela cordilheira dos Alpes a Suiça resolveu radicalizar, derrubou o sistema feudal, negou a autoridade de ambos os papas e criou uma república formada por 28 regiões semi independentes.
Quando a situação da divisão da Igreja estava resolvida os suíços já estavam fortes o suficientes para resistir a tentativas de recaptura e já tinham conseguido criar um avançado sistema econômico que lhes garantiria alianças com grandes famílias burguesas (muitas dessas que por sua vez controlavam também repúblicas nas cidades Italianas, como as Repúblicas de Florença, Veneza e Gênova).

As Mais Serenas Repúblicas

Tanto Gênova (desde 1100) como Veneza (desde 697) se tornaram repúblicas marítimas e comerciais durante a Idade Média, recebendo o título de “Mais Serenas” ou de “Serena” e “Sereníssima” , junto com Florença elas foram a tríada das repúblicas italianas, origem do Renascimento e serão o centro do nascimento do poder bancário e econômico da Idade Média e Moderna.

A Liberdade que eles tinham de representatividade (por mais que há diversos casos de corrupção) e a proteção que elas tinham de perseguições como a inquisição fez com que se tornassem berço de cientistas, pesquisadores e comerciantes. Fácil de perceber que a mesma tendência ocorreu na Holanda e na Suiça (e com facilidade podemos incluir o irmão mais novo delas os Estados Unidos) – Talvez defender a república democrática seja mesmo, desde a Idade Média, sinônimo de garantir progresso econômico, ao contrário do que muitos extremistas hoje no país querem acreditar.