Escolarização do esporte (JE 298) PDF Imprimir E-mail
Classificação: / 0
PiorMelhor 
Escrito por Norberto Dallabrida   
17-Out-2016


A realização dos jogos olímpicos no Brasil faz-nos pensar sobre a emergência dos esportes e sua importância no mundo contemporâneo. O campo esportivo foi inventado em meados do século XIX, na Inglaterra, com a competição marcada pela constante superação mediada pelo cronômetro. 
Os jogos olímpicos modernos começaram a se realizar na Grécia, em 1896, e, desde então, espraiaram-se até os dias que correm, ganhando visibilidade em nível global e envolvendo diferentes dimensões sociais.
Na histórica da educação, é instigante pensar como a instituição escolar se apropriou dos esportes. No Brasil, durante boa parte do século XIX, a escola era da ordem da instrução, isto é, da transmissão de conhecimentos, tanto no ensino primário como no secundário. 
Com a implantação do modelo do grupo escolar, no início do regime republicano, surge uma preocupação com a educação integral, que envolvesse as dimensões intelectual, física e moral. Nesse momento histórico, a educação corporal era realizada sobretudo por meio dos exercícios ginásticos, diferenciados para alunas (mais leves) e alunos (mais pesados e de corte militar).  
A escolarização do esporte emergiu, segundo o livro “A escola e o esporte: uma história das práticas culturais”, de Meily Linhares, na década de 1920, particularmente nos debates da Associação Brasileira de Educação (ABE), cuja questão central era a regeneração da sociedade brasileira por meio da educação nacional. 
O mote da ABE “energizar o caráter” incluía a prática esportiva, que implicava o respeito às regras, a lógica da constante superação e, nos esportes coletivos, capacidade de trabalhar em equipe. No entanto, o grupo católico da ABE criticava o uso de roupas sumárias nos esportes, que poderiam acarretar problemas de ordem moral. 
Assim, ao longo do século XX, os esportes invadiram cada vez o ambiente escolar, tanto na disciplina Educação Física, incluída no currículo do ensino secundário somente em 1931 quanto nos intervalos das aulas e nos finais de semana. No Brasil, o futebol foi o primeiro e o esporte mais praticado nas escolas, seguido pelo basquetebol, voleibol e handebol. De outra parte, o rúgbi não foi apropriado na grande maioria das escolas brasileiras, mas em outros países, como a Inglaterra e a França, esse esporte foi efetivamente escolarizado. 
Assim, no mundo escolar, há memórias emocionantes de jogos avulsos, de torneios interclasses e de disputas entre colégios, certamente marcadas por brigas e desentendimentos, mas, sobretudo, por momentos de disputa democrática, de frenesi e de prazer. 

Norberto Dallabrida
Sobre este autor:
Professor na UDESC e autor de "A fabricação escolar das elites: O ginásio Ginásio Catarinense na Primeira (Editora Cidade Futura) e O tempo dos ginásios: ensino secundário em Santa Catarina (final do século XIX meados do século XX). Endereço eletrônico: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Qual a sua opinião?