ENSINO MÉDIO EM NEGATIVO(JE280) PDF Imprimir E-mail
Classificação: / 1
PiorMelhor 
Escrito por Norberto Dallabrida   
18-Ago-2014


Nas últimas décadas, no campo da História da Educação, vem-se colocando em relevo a distância entre a cultura escolar prescrita e aquela efetivada nas escolas. Esse distanciamento geralmente indica o fracasso das reformas educativas, bem formuladas e teorizadas no papel, mas com resultados práticos insuficientes.

A cultura escolar prescrita na legislação em diferentes níveis, nas matrizes curriculares, nos projetos pedagógicos, nos planos de ensino dos professores, entre outros impressos, é mais fácil de ser identificada e pesquisada. Todavia, a cultura escolar efetivada nas salas de aula é mais difícil de ser investigada porque o cotidiano escolar é dinâmico e, geralmente, é pouco documentado.

Uma das alternativas para compreender a escolarização em movimento é colher depoimentos de professores, pais de alunos e, sobretudo, de estudantes.

Um excelente exemplo dessa perspectiva metodológica foi colocada em marcha na dissertação de mestrado intitulada "O processo de escolarização na voz dos evadidos", de Cláudia Vanielle Fusinato, defendida recentemente no Curso de Mestrado da FURB, sob a orientação do professor Celso Kraemer.

Trata-se de uma investigação, fundamentada em Michel Foucault, sobre os alunos evadidos do Ensino Médio de uma escola pública do Alto Vale do Itajaí. Essa pesquisa realizou entrevistas com 20 alunos evadidos do Ensino Médio no período entre 2005 e 2012, procurando colher depoimentos sobre os mecanismos colocados em prática em uma escola pública de escolarização média.

A hipótese de que os alunos abandonaram o Ensino Médio devido aos mecanismos disciplinares da escola não se sustentou nos depoimentos discentes. Nas conclusões, o trabalho acadêmico de Cláudia Fusinato afirma: "Ao contrário, a maioria dos alunos, mesmo evadidos, é conivente com o funcionamento da escola. Eles, inicialmente não imaginavam uma escola funcionando de maneira diferente, sem todos os mecanismos individualizantes [...] inerentes ao poder disciplinar".

De outra parte, no grupo dos alunos evadidos não foram constatados altos índices de repetência e esses alunos avaliam que a causa das suas repetências não está na escola, mas nos seus comportamentos individuais. Um olhar sociológico sobre esses alunos evadidos e um estudo microscópico da cultura escolar praticada nas suas salas de aula poderiam ajudar a compreender ainda melhor o fenômeno do abandono do Ensino Médio, cuja responsabilidade principal é do sistema educacional.

A dissertação de mestrado "O processo de escolarização na voz dos evadidos" é relevante na medida em que investigou a cultura escolar efetivada a partir dos depoimentos alunos que abandonaram o colégio público de Ensino Médio, indicando a dificuldade dos professores de Ensino Médio de estimular e envolver os estudantes na busca do conhecimento, que concorre para a exclusão escolar e social.


Norberto Dallabrida
Sobre este autor:
Professor na UDESC e autor de "A fabricação escolar das elites: O ginásio Ginásio Catarinense na Primeira (Editora Cidade Futura) e O tempo dos ginásios: ensino secundário em Santa Catarina (final do século XIX meados do século XX). Endereço eletrônico: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Qual a sua opinião?