O Jornal da Educação e o jornal escolar PDF Imprimir E-mail
Classificação: / 0
PiorMelhor 
Escrito por Norberto Dallabrida   
06-Set-2012


Neste mês de agosto, o Jornal da Educação completa 25 anos de existência. Trata-se de aniversário de maturidade, que merece ser comemorado porque a grande maioria dos jornais tem vida curta e mesmo meteórica.

No seu primeiro quatro de século de vida, é preciso sublinhar que o JE é a única gazeta mensal sobre educação em Santa Catarina – e uma das poucas desse gênero no Brasil. Como periódico segmentado, o Jornal da Educação tem contribuído para retratar o cotidiano de escolas, especialmente aquelas do nordeste catarinense, e proporcionar reflexões pedagógicas. Converte-se, assim, em importante fonte histórica para compreender a educação brasileira contemporânea.

De outra parte, neste momento de rememoração, urge dar relevo ao trabalho incessante e profissional da editora Maria Goreti Gomes – a Ana Maria Harger do jornalismo escolar joinvillense. Além de ser professora, o que lhe proporciona um contato direto com a atmosfera escolar, Goreti tem se comportado como uma verdadeira empreendedora, procurando dinamizar o conteúdo do seu mensário, bem como disseminá-lo em meio impresso e digital. Ela é, definitivamente, a alma do Jornal da Educação.

Como historiador da educação, esse clima de aniversário do JE, fez-me pensar sobre o jornal como estratégia didática. A primeira referência que me veio à mente foi a do educador francês Célestin Freinet, considerado o pioneiro do jornal escolar.

Como parte integrante do multifacetado movimento escolanovista, Freinet pensou o jornal escolar como uma atividade de socialização dos conhecimentos produzidos pelos alunos a partir de seus interesses. Não se tratava, portanto, de um periódico da direção da escola, mas uma forma de socialização de saberes – assim como a correspondência entre alunos, estimulada por Freinet.

Image
JE produz o JSA que circula há 18 anos
Neste momento em que se comemora o centenário da implantação dos primeiros grupos escolares em Santa Catarina, é importante lembrar que uma dessas escolas da república criou um jornal. Trata-se do Grupo Escolar Jerônimo Coelho, localizado em Laguna, que publicou, a partir de 1913, o jornal "A Escola: Deus, Pátria e Família". Nas primeiras décadas do século XX, a terra de Anita Garibaldi era a principal cidade do sul catarinense e tinha uma imprensa escrita efervescente.

Contudo, a iniciativa da criação e animação do jornal do Grupo Escolar Jerônimo Coelho deve-se ao seu diretor, o professor João dos Santos Areão. Infelizmente existem somente alguns números dessa gazeta escolar, mas eles ajudam a compreender a vitalidade da escola pública da época.

Enfim, penso que a comemoração dos 25 anos do JE pode instigar a fundação de outros periódicos segmentados no campo educacional e jornais escolares, que concorram para a melhoria da qualidade do ensino.


Norberto Dallabrida
Sobre este autor:
Professor na UDESC e autor de "A fabricação escolar das elites: O ginásio Ginásio Catarinense na Primeira (Editora Cidade Futura) e O tempo dos ginásios: ensino secundário em Santa Catarina (final do século XIX meados do século XX). Endereço eletrônico: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email
 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Qual a sua opinião?