A importância da formação continuada para uma atuação docente reflexiva PDF Imprimir E-mail
Classificação: / 56
PiorMelhor 
Colunistas - Artigos Científicos
26-Jul-2011


A importância da formação continuada para uma atuação docente reflexiva: o processo formativo e o desenvolvimento profissional de professores das séries iniciais do ensino fundamental básico das escolas municipais de Teresina-PI .

*Vanessa de Fátima Silva

**Camila Lima

*** Maria Fernanda Peneda de Azevedo Pedra

**** Ana  Maria Xavier Santos

 

Resumo

 

O trabalho a seguir, apresenta aspectos referentes ao desenvolvimento profissional de professores das séries iniciais do ensino fundamental de Teresina que cursaram Licenciatura Plena em Pedagogia, através do convênio entre Prefeitura Municipal e a Universidade Federal do Piauí.

A referida pesquisa tem por objetivo geral identificar como os professores da Rede Municipal de Ensino investem em seus processos de desenvolvimento profissional. Em decorrência da proposição geral do estudo objetivamos especificamente caracterizar os aspectos referentes à formação continuada dos professores de 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental, bem como analisar a relação entre formação continuada e o desenvolvimento profissional do professor de 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental.

Esse estudo foi importante porque contribuiu para que o professor repensasse a sua prática docente, o seu preparo profissional e a condução do processo ensino- aprendizagem, ressaltando a importância da realização de outros estudos a partir das reflexões feitas durante a realização desse trabalho.

 

Palavras-chave: formação continuada, reflexão, atuação docente.

 

Introdução

 

Nas últimas décadas temos assistido a educação como caminho certo para o desenvolvimento do país, e dentro dela a formação de professores como sendo fator relevante para a preparação de cidadãos conscientes. Muitos estudos vêem sendo realizados sobre o desenvolvimento do profissional professor, trabalhos como este fazem com que os professores reflitam sobre prática diária.

Nessa perspectiva, a formação continuada possibilita ao docente a aquisição de conhecimentos específicos da profissão, se tornando assim seres mais capacitados a atender as exigências impostas pela sociedade, exigências estas que se modificam com o passar dos tempos, tendo então o educador que estar constantemente atualizado. Pois, conforme, Sousa (2008, p.42):

 

Ser professor, hoje, significa não somente ensinar determinados conteúdos, mas sobretudo um ser educador comprometido com as transformações da sociedade, oportunizando aos alunos o exercício dos direitos básicos à cidadania.

 

      Nessa perspectiva, realizamos esta pesquisa que apresenta aspectos referentes ao desenvolvimento profissional de professores das séries iniciais do ensino fundamental de Teresina que cursaram Licenciatura Plena em Pedagogia, através do convênio entre Prefeitura Municipal e a Universidade Federal do Piauí.

      A referida pesquisa tem por objetivo geral identificar como os professores da Rede Municipal de Ensino investem em seus processos de desenvolvimento profissional. Em decorrência da proposição geral do estudo objetivamos especificamente caracterizar os aspectos referentes à formação continuada dos professores de 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental, bem como analisar a relação entre formação continuada e o desenvolvimento profissional do professor de 1ª a 4ª série do Ensino Fundamental.

      Esse estudo foi importante porque contribuiu para que o professor repensasse a sua prática docente, o seu preparo profissional e a condução do processo ensino- aprendizagem, ressaltando a importância da realização de outros estudos a partir das reflexões feitas durante a realização desse trabalho.

 

O desenvolvimento do profissional professor das séries iniciais.

     

Sabemos que o profissional professor das séries iniciais se forma através de um processo dinâmico de interações e experiências, na qual os saberes são construídos, seja para resolver problemas na sua prática pedagógica seja para organizá-la. Na construção destes saberes o professor aprende a profissão de educador. A esse respeito afirma Sousa (2008, p. 66) [...] ser docente um profissional implica, portanto dominar uma série de saberes, capacidades e habilidades especializadas que o fazem competente no exercício da docência.

      Desse modo, a prática desenvolvida pelo professor pode ser caracterizada como função social, sendo o educador principal agente do processo educacional; a idéia que todos podem exercer a profissão docente apresenta- se então de maneira equivocada, já que tal profissão apresenta- se de forma complexa e envolve grandes responsabilidades, pois o profissional da educação é o sujeito responsável por formar todos os outros profissionais, o que implica uma constante ressignificação da prática por ele desenvolvida.

      A formação profissional é uma das principais estratégias para a conquista de uma educação de qualidade, sendo a formação inicial insuficiente para atender as exigências impostas pela sociedade atual e não o único espaço onde os docentes aprendem sobre a profissão. A formação continuada emerge então como uma necessidade da profissionalização.

      O processo de formação do professor engloba a interação entre o conhecimento teórico e prático, fazendo-o desenvolver habilidades para saber lidar com as diferentes situações que surgem na atuação da prática docente.

      As dimensões pessoal, profissional e organizacional devem ser consideradas aspectos necessários a formação de profissionais da educação, já que os saberes docentes provêm de várias e diversificadas fontes, o que requer uma atitude de compromisso do professor, no sentido de considerar um conjunto de decisões que são chamados a tomar no seu dia-a-dia, no interior da sala de aula e no contexto da organização escolar.

Assim, a formação continuada apresenta-se como fator relevante para uma atuação repleta de significação, possibilitando ao educador maior aprofundamento dos conhecimentos profissionais, adequando sua formação as exigências do ato de ensinar, levando-os a reestruturar e aprofundar conhecimentos adquiridos na formação inicial. O professor que participa de atividades de formação continuada pode refletir sobre suas práticas e trabalho diário.

Além disso, o processo de formação contínua de professores lhes possibilita ter consciência das delimitações da ação pedagógica bem como a busca de autonomia. A formação continuada apresenta- se então como um processo inacabado próprio da formação de um profissional às exigências do exercício de sua profissão.

Assim sendo, o educador que dominar uma série de saberes, capacidades e habilidades que o fizerem competente no exercício da docência pode ser considerado um profissional. Nesse sentido, afirma Sacristón (1995, p. 63) Entendemos por profissionalização a afirmação do que é específico na ação docente, isto é, o conjunto de comportamentos, conhecimentos, destrezas, atitudes e valores que constituem a especificidade de ser professor.

Para uma melhor compreensão do processo histórico da profissionalização docente, Nóvoa (1995) propõe um modelo de análise dividido em 4 (quatro) etapas; a primeira etapa esta inserida no contexto do século XVIII,  onde ocorre o enquadramento do professor como corpo profissional, a educação deixava então de ser campo exclusivo de atuação dos religiosos, como os jesuítas nos séculos XVII e início do XVIII; a segunda etapa engloba o final do século XVIII, onde já não era permitido ensinar sem a autorização do Estado, o professor passa então a ter direito exclusivo de intervenção na àrea da educação; a terceira etapa apresenta- se como sendo decisiva para o processo de profissionalização, pois nesta época surgem as escolas normais, representando uma vitória para o professorado; já a quarta e última etapa corresponde a tomada de consciência dos interesses dos docentes como grupo profissional, ocorrendo então a adesão desse grupo às associações profissionais.

Observa-se então que a afirmação profissional dos professores como um percurso repleto de lutas e conflitos, na qual o campo educativo vai gradualmente deixando de ser ocupado por diversos agentes (igreja, estado, dentre outros) e passa a ser responsabilidade principal do educador, como pode ser observado na atualidade; o que lhes atribuem um papel de maior importância ainda, merecendo então constante ressignificação de suas práticas a serem desenvolvidas.

A profissionalidade docente engloba então comportamento, conhecimentos, atitudes e valores do educador que são próprios da profissão de professor, para o professor ser considerado profissional ele precisa dominar uma série de saberes, capacidades e habilidades que o tornam competente no exercício da docência. Portanto promover a profissionalização docente não é fácil, visto que envolve muitas pessoas com perfis e interesses diferentes; o governo, por exemplo, é a favor da profissionalização objetivando uma elevação no índice de aprendizado dos alunos, já os educadores buscam através da profissionalização satisfação pessoais; promover a profissionalização do educador tem ainda fortes implicações financeiras, pois é preciso constantes investimentos para a promoção de uma contínua aprendizagem.

A profissão docente realiza-se em ações práticas e exige fundamentação teórica; para a construção desta profissão é essencial a existência de um tripé da profissionalização, ou seja precisa haver uma formação inicial sólida, formação continuada de acordo com as exigências da sociedade e uma carreira que atenta as expectativas do profissional, fazendo sentir-se realizado.

Hoje tornar-se professor, dá-se num processo dinâmico de construções de significados referentes à educação, ao ensino e à aprendizagem, destacando-se, neste processo, a importância da formação inicial e continuada, articulada com a realidade sócio-educacional, fazendo com que o educador domine uma série de saberes, capacidades e habilidades que o tornam competente no exercício da docência, podendo então ser considerado profissional da educação. 

 

Campos da Pesquisa

 

Para o desenvolvimento do estudo, escolheu- se como campo da pesquisa as escolas Municipais Benjamim Soares de Carvalho e Mário Covas, por conterem um número significante de professores egressos do curso de pedagogia pelo convênio UFPI/ PMT, bem como pela disponibilidade de participação dos docentes ao estudo e pela fácil localização das escolas.

      As escolas em referência ficam situadas nos bairros Vila Confiança e Alto da Ressurreição, respectivamente nas zonas sul e sudeste. Ambas as escolas funcionam em um prédio de estrutura física considerada boa, estilo simples, mas bem planejada para atender as necessidades de funcionamento de uma boa escola.

 

Sujeitos da Pesquisa

 

Considerando- se o objetivo que direcionou esta investigação, os docentes selecionados foram professores que lecionam do 1º ao 5º ano e formados em Pedagogia pelo convênio UFPI/ PMT. Neste tópico procuraremos caracterizar o perfil desses educadores, expondo o sexo, faixa etária, qualificação profissional, tempo de serviço, turno e série que lecionam como demonstra o quadro utilizado para caracterização dos professores no final do trabalho.

      A faixa etária dos nossos interlocutores varia entre 31 e 50 anos de idade, o que demonstra que possuem uma larga experiência no magistério. Quanto à qualificação profissional, foi possível observar que todos os educadores são graduados em Pedagogia, com exceção em duas, que possuem especializações. Todos os professores são experientes, com tempo de serviço entre 5 (cinco) e 25 (vinte e cinco) anos.

      Em relação ao turno que lecionam, a pesquisa revelou que todas as professoras trabalham no turno da manhã, sendo que duas das educadoras lecionam ainda no turno da tarde na mesma instituição; já as professoras P.A e P.C trabalham também em outras instituições particulares, nos levando a acreditar que possuem pouca disponibilidade para tratar de assuntos referentes ao ambiente escolar, visto que os dados demonstram a acumulação de tarefas.

 

QUADRO UTILIZADO PARA CARACTERIZAÇAO DOS PROFESSORES:

 

Nome da escola

Professor

Sexo

Faixa etária

Qualificação Profissional

Tempo de serviço

Turno que leciona

Série que leciona

Escola M. Benjamim Soares de Carvalho

P. A

F

31- 35

Graduação em Pedagogia

Entre 10 e 20 anos

Manhã

2º ano

Escola M. Benjamim Soares de Carvalho

P.B

F

36- 40

Graduação em Pedagogia

Entre 10 e 20 anos

Manhã e tarde

2º ano

Escola M. Benjamim Soares de Carvalho

P.C

F

41- 45

Graduação em Pedagogia

Entre 10 e 20 anos

Manhã

1º ano

Escola M. Benjamim Soares de Carvalho

P. D

F

41- 45

Graduação em Pedagogia

Entre 10 e 20 anos

Manhã

Ensino infantil

Escola M. Benjamim Soares de Carvalho

P. E

F

45-50

Graduação em Pedagogia

Entre 10 e 20 anos

Manhã

3º ano

Escola  M. Mário Covas

P. F

F

41- 45

Graduação em Pedagogia

Entre 10 e 20 anos

Manhã

3º ano

Escola M.  Mário Covas

P. G

F

41- 45

Especialista

Entre 20 e 25 anos

Manhã e tarde

3º ano

Escola  M.  Mário Covas

P. H

F

41-45

Especialista

Entre 5 e 10 anos

Manhã

1º ano ao 5º ano

Quadro 1: Caracterização dos professores egressos do curso de Pedagogia convênio PMT/ UFP

Fonte: Dados da pesquisa

     

Ao analisar o quadro de caracterização do perfil de nossos interlocutores compreendemos que a seleção dos sujeitos desta pesquisa atendeu aos critérios estabelecidos para seleção dos mesmos, uma vez que tínhamos o interesse de trabalhar com professores habilitados pelo curso de Pedagogia convênio UFPI/ PMT.

 

Resultado, análise e discussões dos dados coletados

 

A análise da profissionalidade docente revela as peculiaridades da formação do professor caracterizando a formação inicial e continuada. Assim, esta parte do presente estudo contempla a apresentação dos dados coletados na pesquisa, objetivando a compreensão e explicação das indagações que nortearam o estudo.

Dividimos o estudo em dois grandes eixos, buscando traçar um olhar descritivo e analítico sobre os dados colhidos junto às nossas interlocutoras. Nessa perspectiva estabelecemos 02 (dois) eixos de análise dos dados identificados como formação inicial e formação continuada.

A seguir, apresentaremos a análise de dados, procurando descrever a percepção dos sujeitos investigados sobre a formação profissional e a atuação docente; o estudo segue-se então organizado de acordo com cada eixo.

 

Eixo 01: Formação inicial

 

Neste primeiro eixo de análise refletiremos sobre a formação inicial, caracterizando a formação inicial dos educadores entrevistados e apontando aspectos considerados positivos pelos mesmos.

O conhecimento adquirido na formação inicial se reelabora e se especifica na atividade profissional, por isso esta é considerada como etapa insuficiente para atender as exigências impostas pela sociedade atual.

Assim sendo, para atender a complexidade e a diversidade das situações que solicitam intervenções adequadas do profissional da educação, este deve possuir uma formação inicial sólida e de boa qualidade.

Contudo o exercício da profissão docente, no mundo atual, tem se mostrado de forma complexa, neste sentido o educador deve procurar alternativas que aprimorem sua prática. É necessário que o profissional da educação reconheça a importância da formação inicial, mas que encare esta apenas como a primeira etapa para uma vida profissional recheada de significações.

Assim, a formação inicial vai levar o indivíduo que não possui nenhuma experiência profissional a uma formação, dando lhes a base para o desenvolvimento de um profissional comprometido com as exigências sociais, sendo que esta desenrola- se na etapa introdutória para a vida adulta, na qual o indivíduo assume seu papel na sociedade, requerendo autonomia econômica, independência social e afetiva (Menestrina e Menestrina 1996, p.22).

       O profissional da educação deve sempre refletir sobre sua formação inicial, seja esta o magistério ou o curso superior de Licenciatura Plena em Pedagogia, pois é refletindo sobre a formação inicial que se reflete sobre a prática docente, sendo possível assim uma constante ressignificação da mesma.

Refletir sobre aspectos da formação inicial faz-se necessário sempre que se objetiva melhorar a prática docente, sendo este um dos principais indicadores do desenvolvimento de profissionais mais justos e preparados conforme a afirmação a seguir:

Quanto ao curso de Licenciatura Plena em Pedagogia, além da teoria, o curso teve uma estreita relação entre teoria e prática tendo como base as experiências em sala de aula. (P.E)

 

Através dos dados coletados nesta categoria é possível confirmar que a maioria dos participantes da pesquisa atribui valor significativo à formação inicial, sendo que revelam aspectos positivos, como se observa a seguir:

 

P.A- O magistério (2º grau) era valorizado.

P.B- Ter iniciado a vida profissional como professora das séries iniciais, com 23 anos de sala de aula só tenho a agradecer por minha formação e conhecimentos.

P.C- Dá uma base necessária para o exercício da profissão.

P.D- É o aprendizado integrado com a criança, com suas necessidades básicas que é preciso entender e aprender.

P.E- Vivência da teoria na prática docente.

P.F- Contribui bastante, porque já lecionava e assim serviu como embasamento na experiência.

P.G - Contribui muito pouco, pois o estágio na época deixava muito a desejar aprendendo mesmo na prática.

P.H- Desenvolveu habilidades necessárias a atuação em sala de aula, possibilitando o ingresso ao trabalho durante o curso favorecendo a união entre teoria e prática.

 

A partir desses relatos é possível verificar que a formação inicial das docentes entrevistadas desenvolveu-lhes habilidades necessárias para a construção de profissionais da educação comprometidos com a sociedade, sendo apenas a interlocutora P.G a discordar dessa realidade, pois afirma que a formação inicial contribuiu pouco para a caminhada da profissionalização docente.

 

Eixo 2: A Formação continuada

 

Neste eixo destacamos a questão da formação continuada, caracterizando os eventos e investimentos na formação continuada dos interlocutores, bem como as demandas da prática docente e o sentido da formação continuada na vivência da profissão.

Frente a tantas cobranças impostas pela sociedade atual, a formação continuada passa a ser uma necessidade que envolve aspectos sociais e pessoais. Dessa forma, a formação de professores representa um grande desafio no contexto atual, tendo o profissional da educação que estar constantemente atualizado, pois conforme Lino, (2010 p.36-37):

A valorização dos processos de aprendizagem dos próprios professores, ou seja, no investimento pessoal e institucional de seu aperfeiçoamento continuo, segundo a criação ou produção de diferentes contextos de aprendizagem também par ao professor e não só para o aluno.

 

Assim, discussões sobre formação continuada devem está presente no âmbito da educação, pois possibilita ao educador refletir sobre o seu fazer, já que esta promove a reflexão dos educadores, melhorando dessa forma sua prática.

 

Eventos da formação continuada

 

Os eventos proporcionam aos educadores a troca de experiências entre os mesmos, promovendo ainda importantes reflexões sobre as práticas por eles desenvolvidas, sendo considerado fator de grande importância para a atuação do profissional da educação.

Neste sentido, o saber docente só se legitima uma vez que os professores, durante a atuação profissional, participe de eventos ligados a formação continuada, emergindo assim vários conhecimentos.

As colocações dos docentes a este enfoque demonstram que a Secretaria Municipal da Educação - SEMEC, continuamente oferece cursos de aperfeiçoamento da profissão de educador, como evidencia, as colocações abaixo sobre os tipos de eventos que tem participado os interlocutores:

 

P.A- PCN, cursos de alfabetização, GESTAR, PRÓ-LETRAMENTO (português), aceleração da aprendizagem

P.B- PROFA, PCN, PRÓ- LETRAMENTO e oficinas de  alfabetização

P.C- PCN, PROFA, seminários, cursos e oficinas de matemática, leitura e escrita

P.D- Especializações, minicursos e capacitações

P.E- PCN, cursos e oficinas nas áreas de língua portuguesa e matemática, PRO- LETRAMENTO

P.F- PROFA, PCN, PRALER e libras

P.G- PROFA, PROLER, PCN e outras capacitações

P.H- PRALER e educar na diversidade

 

A constante participação em eventos propõe situações que incentivam a reflexão e a construção de saberes como processo contínuo da formação docente, saberes estes que serão aplicados nas mais variadas disciplinas, como exemplo o GESTAR, que se aplica à língua portuguesa e matemática.

O processo formativo pelo qual os docentes vivenciam estar voltado para a busca de melhor capacitação profissional e no cotidiano dessas ações educativas eleva- se a qualidade do ensino e da aprendizagem.

 

Os investimentos na formação continuada

 

Investimentos na formação continuada têm importância relevante para a formação docente, visto que torna o profissional da educação mais reflexivo e atuante, possibilitando-os a facilidade de sobressaírem aos desafios encontrados no cotidiano escolar.

Segundo Sousa (2008) muitas políticas públicas investem constantemente na formação continuada dos docentes, pois estes precisam produzir saberes para se transformarem em membros de uma corporação específica, a dos que sabem ensinar. A esse respeito os interlocutores afirmam:

 

P. A- Esta sendo investido bastante em cursos de pouca duração, em cursos superiores, especializações e mestrados.

P.B- Todos os cursos são pagos pela secretária de Educação, no sentido de qualificar os professores na melhoria do ensino público

P.E- Estão sendo oferecidos cursos, oficinas, seminários por parte da escola e pela SEMEC.

P.F- A prefeitura tem realizado vários cursos de formação continuada

P.G- O prefeito tem investido bastante na formação continuada

P.H- A secretaria municipal está continuamente oferecendo cursos como PROFA, PRALER, GESTAR e que incluem deficientes nas escolas.

 

      Conforme elucidado, em meio ao atual contexto, o melhoramento da atuação docente é aspirado não só pelos educadores, mas também pelos representantes governamentais, que vêem os investimentos na formação continuada como o meio mais fácil de alcançar a qualidade no ensino público.  

      Parece evidente a ênfase que os docentes investigados dão aos investimentos realizados por órgãos públicos na formação continuada, melhorando assim a qualidade do ensino; nota- se então que são disponibilizados aos docentes constantes investimentos, mas esta é uma realidade que se torna duvidosa ao analisar a fala da interlocutora P. C, ao afirmar:

 

No momento não esta sendo feito nenhum investimento na minha formação continuada.(P.C)

 

      É essencial ao Estado investir na formação continuada dos professores, pois se torna tarefa de grande dificuldade melhorar a escola sem que haja investimentos na aprendizagem dos docentes, os investimentos possibilitam ainda aos educadores melhor atuação e exercício da cidadania, como se evidência na fala da docente P.D, a seguir:

 

É a oportunidade que a instituição da ao professor de qualificar a sua formação para um melhor desempenho escolar. (P.D)

 

Desse modo, investimentos feitos na formação de professores promovem aos educadores o despertar do olhar crítico em relação às práticas educativas, melhorando assim esta prática, já que a crítica é um primeiro momento que denuncia alguma coisa que precisa ser reformulada ou transformada (GUTERRES, 1990, P. 72).

 

A formação continuada e as demandas da prática docente

 

Em seus posicionamentos, a maioria dos sujeitos da pesquisa afirmou que a formação continuada responde as demandas docentes, ajudando muito no trabalho profissional. Assim relatam:

 

 P.A- Toda formação oferecida responde as demandas da prática docente, quando é de interesse do professor. 

P.B- Nem sempre todos têm a oportunidade de participar.

P.C- Sim.

P.D- É relativo, a prática é praticar, é expor suas idéias e conhecimentos adquiridos através do curso do qual o professor cursou.

P.E- Uma parcela significativa contribui para suprir as necessidades apresentadas na prática.  

P. F- Ajuda muito no trabalho profissional, principalmente no que diz respeito a relação professor/ aluno e ensino/ aprendizagem.

P.G- Contribui bastante para a prática pedagógica.

P.H- Embora não consiga responder plenamente as nossas. inquietações, a formação continuada tem contribuído muito para a superação das dificuldades e dúvidas que enfrentamos.

 

Podemos verificar, conforme exposto em cada discurso, que as professoras vêem contribuições significativas da formação continuada na prática docente, sendo as entrevistadas P.B e P.H muito felizes ao colocarem que nem todos tem a oportunidade de participar, sendo esta uma lamentável realidade.

Nessa perspectiva, a formação continuada configura-se como processo de desenvolvimento em interação com a realidade, possibilitando aos docentes conscientizações de suas dificuldades e busca de aperfeiçoamento profissional e pessoal.

 

O sentido da formação continuada na vivência da profissão

 

Em se tratando do sentido da formação continuada na vivência da profissão, vimos que as educadoras reconhecem tal importância, atribuindo a formação continuada um sentido significativo, deixando novos conhecimentos para um trabalho com maior êxito, melhorando a prática docente e formação profissional em todos os sentidos.

 Assim, a formação continuada configura- se como um aperfeiçoamento necessário e imprescindível que possibilita ao professor saberes específico e a busca de alternativas que aprimorem constantemente sua ação. Conforme enfatizam as interlocutoras:

                     

P.A- Muito importante para quem atua na educação, a cada dia encontra-se novos desafios na aprendizagem de crianças, com essa formação contínua encontra- se subsídio para esses desafios

P.B- Ajuda no ensino/ aprendizagem, deixa novos conhecimentos para um trabalho com maior êxito

P.C- Tem sentido significativo, orienta no exercício da profissão

P.D- É a ampliação dos conhecimentos para o desempenho da qual o professor buscou a formação de educador

P.E- Troca de experiências e aquisição de novos conhecimentos, mantendo os profissionais da educação atualizados com os novos parâmetros do ensino

P.F- Para melhorar sua prática docente e formação profissional em todos os sentidos

P.G- Faz toda diferença, capacita para desenvolver atividades em sala de aula

                                           P.H- Jamais estaremos prontos, há sempre mais a prender.

             Assim a formação continuada promove a aprendizagem e a certeza que ainda temos muito a aprender. E com base nestes relatos é perceptível que a formação continuada é componente essencial da profissionalização docente, contribuindo para o desenvolvimento da autonomia intelectual e profissional dos educadores.

Dessa forma, o processo formativo na qual os educadores vivenciam esta voltada para a construção de competências, sendo que a prática muda constantemente mediante novos conhecimentos adquiridos no decorrer da atuação profissional, melhorando esta prática.

 

Conclusões da pesquisa

     

Os dados da pesquisa deixam evidente que o trabalho do professor é um desafio permanente e de grande complexidade, devendo por isso o educador ter uma educação inicial sólida e formação continuada que complemente e atualize de forma permanente o profissional, não significando, contudo, que a formação continuada se construa tão somente por meio da acumulação de cursos, devendo comportar uma relação essencial e estreita com a prática no cotidiano da escola.

Uma vez que a formação continuada é um fator essencial para uma constante ressignificação da prática pedagógica, não anulando a importância da formação inicial, que deve servir de base para o desenvolvimento da vida profissional, profissional este que deve dominar uma série de saberes que o torna competente no exercício da docência.

Assim, as novas concepções de formação continuada dão ao professor uma visão maior do papel de sua profissão na sociedade, eliminando a idéia equivocada de que todos podem exercer a profissão de educador, já que esta se apresenta de forma complexa.

A afirmação profissional dos professores foi apresentada como um percurso repleto de lutas e conflitos, confirmando assim que promover a profissionalização docente não é fácil, devendo haver a necessidade de formação inicial consistente, formação continuada de acordo com as exigências da sociedade e uma carreira que atenda as expectativas do profissional fazendo-o sentir realizado.

      Diante dos resultados da pesquisa é possível observar que as interlocutoras atribuem valor significativo á formação inicial, já que esta lhes possibilita o desenvolvimento de habilidades necessárias à profissionalização docente; já em relação à formação continuada, vimos que as exigências sociais se renovam constantemente, sendo os eventos e investimentos responsáveis pela elevação da qualidade de ensino, pois conseguem despertar o olhar crítico em relação as práticas de ensino, fazendo com que os docentes reconheçam suas falhas e trabalhem na possível melhoria.

Para tanto chegamos a conclusão de que as educadoras possuem consciência de que as necessidades, os problemas e as buscas presentes no início da carreira dos professores não são as mesmas do final, a qual é formada por diferentes momentos e com necessidades diferentes, evidenciando a necessidade da formação continuada na prática profissional, sendo que esta consegue responder as demandas docentes, possuindo sentido significativo na vivência da profissão.

 

Referências

BRITO, Antonia Edna. Sobre a formação e a prática pedagógica: o saber, o saber ser e o saber fazer no exercício profissional. p.15- 23. In: SOBRINHO, José Augusto de Carvalho Mendes (org.). Entre a formação profissional e a atuação docente: reflexões sobre o processo formativo e o desenvolvimento da profissionalidade de professores das séries iniciais do ensino fundamental. Teresina, UFPI, 2007.

GUTERRES, Clóves Renan Jacques. Educação: teoria e prática da trasnformação. P. 73-78. In: Rays, Oswaldo Alonso (Coord.). Leituras para repensar a prática educativa. Porto Alegre: Sagra, 1990.

MACEDO, Lino. Ensaios Pedagógicos. São Paulo: Artmed, 2010.

MARQUES, Mario Osorio. A formação do profissional da educação. 3 ed. Ijuí: Unijuí, 2000.

MENESTRINA, Tatiana Camiotto; MENESTRINA, Eloi. Auto- realização e qualidade docente. Porto Alegre: EST, 1996.

NÓVOA, António. Profissão professor. 2 ed. Portugal: Porto Editora, 1995.

SOUSA, Maria Goreti da Silva. A formação continuada e suas contribuições para a profissionalização de professores dos anos iniciais do ensino fundamental de Teresina- Pi: revelações a partir de histórias de vida. 2008, 130 f. Dissertação (Mestrado em Educação -UFPI.

 

Informações sobre as autoras:

*Vanessa de Fátima Silva Moura é licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Piaui UFPI, atua como professora no programa ACELERA BRASIL do Instituto Airton Senna com parceria da SEDUC-PI. E-mail:  Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email  

**Camila Lima é licenciada em Pedagogia pela Universidade Federal do Piaui UFPI, atua como professora de educação infantil na escola Tamandaré na cidade de Teresina-PI. E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email

 *** Maria Fernanda Peneda de Azevedo Pedra é licenciada em Ciências da Educação pela UP, PORTO-PT e tem especialização em Mediação de Conflitos em Contexto Escolar, pela  Universidade Lusofona, Porto - PT. E-mail:  Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email

**** Ana  Maria Xavier Santos é Mestre em Educação pela Universidade Federal de Pernambuco - UFPE e atua como gestora da escola CERO - PE. E-mail:  Este endereço de e-mail está protegido contra spam bots, pelo que o Javascript terá de estar activado para poder visualizar o endereço de email  

 
< Artigo anterior   Artigo seguinte >
Advertisement

Qual a sua opinião?