Jornal da Educação - ISSN 2237-2164

Data limite para submissão de artigos para 2ª Edição do JE Caderno Científico é 25/03/2019
O JE Caderno Científico -  Os artigos, resenhas e relatos de experiência podem ser enviados até 25 de março de 2019. A primeira edição da revista digital catarinense circulou em agosto de 2018, sob a coordenação cientifica do professor Doutor Norberto Dallabrida. A segunda edição no primeiro... Leia Mais
Brasil é o país que menos valoriza o professor. China é o que mais valoriza.
Pesquisa de opinião realizada pelo Instituto Nacional de Pesquisa Econômica e Social da Inglaterra (National Institute of Economic and Social Research) para a Fundação Varkey, com mais de 35000 adultos, com idade entre 16 a 64 anos e mais de 5500 professores ativos, apontou que o Brasil é o país... Leia Mais
MEC homologa Diretrizes Curriculares para o Ensino Médio
As diretrizes trazem duas regulamentações importantes: aumentam para três mil horas o curso, tornam opcional o oferecimento de educação a distância e estipula a obrigatoriedade de oferecimento de mais de um itinerário formativo, em áreas distintas, em cada município. O ministro da educação,... Leia Mais
Jornais escolares estudantis
  A criação de jornais escolares produzidos por estudantes ou pelo corpo pedagógico das escolas surgiu na Europa, a partir da primeira década do Século XX. Um dos primeiros educadores a utilizar o jornal escolar foi o belga Jean-Ovide Decroly, no ano de 1909, quando editou em seu... Leia Mais
Projetos de filosofia provocam a transformação ética e estética de alunos e da escola
  Professor de filosofia, Alexandre Marques de Jesus : "Abrimos essa janela de possibilidade, motivamos nossos alunos a serem propagadores de debates, círculo de palestras, ação social, motivação e automotivação afinal política e estética são questões humanas, num clamor de solidariedade, escuta... Leia Mais
Pesquisa aponta que somente 67% do tempo de aulas é usado para a atividade de ensino e aprendizagem
  O Mapeamento “Profissão Professor” mostra que, na percepção de 69% dos professores brasileiros, dar mais oportunidades de qualificação aos docentes é a medida mais eficaz de valorização desses profissionais. A melhoria da remuneração aparece na segunda posição com 62%. Na mesma pesquisa foi... Leia Mais
SUICÍDIO: Debater, conhecer para prevenir
O suicídio é a quarta maior causa de mortes entre jovens de até 30 anos. É crescente o número de casos de suicídio entre adolescentes, até mesmo antes dos 15 anos (mais raro em outras décadas). Nos consultórios, houve um aumento expressivo de adolescentes com ideações suicidas. Nas escolas,... Leia Mais
Escola com doutrinamento de que partido?
  Os professores estão no centro das discussões no Brasil. Desde o momento em que o candidato do PT mudou sua estratégia de marketing, colocando-se como um candidato professor que seria a alternativa a um candidato militar fascista, a radicalização da eleição para presidente foi para o pátio da... Leia Mais
prev
next

O Escopo do Currículo Escolar na Concepção de Lutero

Dentre as dimensões, as quais Lutero se refere quando fala sobre a forma de ensinar a viver, destacaria aquelas que convergem com a BNCC e o Novo Ensino Médio.

 

Educação para a Liberdade – Educação para Lutero consiste em ensinar a viver a mensagem do amor, da esperança e da fé, bem como ensinar a viver os princípios que decorrem desta mensagem. Acrescenta ainda que não se pode coagir ninguém a fé, uma vez que qualquer ensino deve respeitar o outro como sujeito do seu processo.

Educação Permanente – Nunca estamos formados, somos seres em contínua formação. O trabalho educacional, considera o binômio amor e liberdade, tendo como ponto de chegada a sabedoria. Como resultado do esforço educacional, as pessoas são desafiadas a constituir uma sociedade solidária, com igualdade e justiça para todos, onde se administra os conflitos, através do diálogo e da negociação. Ao educar para a liberdade será necessário reconquistar a tradição para então criar algo novo, encontrar na educação uma relação a um tempo de equilíbrio e de tensão entre recuperar o passado e criar o futuro.

Como seres humanos, individual ou coletivamente, ainda não somos tudo a que somos chamados a ser. Vivemos no provisório. Desinstalando, gerando novas indagações e questionamentos sobre a realidade, parece ser inerente a uma dinâmica de fazer educação. O ser humano vive em uma dimensão dialética entre o passado e o presente, entre o antigo e o novo. A sabedoria está na capacidade de buscar o que é válido tanto para o antigo quanto para o novo. Lutero deixou na sua trajetória de vida, seja pessoal ou profissionalmente em suas obras, marcas de transição. Neste sentido, ele sempre apontou para o futuro, ou seja, para este novo que está emergindo.

Conteúdo com Sentido e Significado – Lutero propõe a adoção de um método que tenha como base o conteúdo com sentido e significado para a pessoa e a vida, enfatizando a leitura e a experiência. Propõe ainda que o jogo e a atividade criativa necessitam integrar o processo pedagógico.

Modalidade Lúdica – Lutero, na verdade, não propõe nenhum modelo de escola, todavia apoiou a transformação do sistema rígido, em voga na época, para uma modalidade mais lúdica.
O lúdico passou a ser reconhecido como traço essencial de psicofisiologia do comportamento humano. Faz parte das atividades essenciais da dinâmica humana. São ações vividas e sentidas. Na atividade lúdica importa a própria ação, momentos de encontro consigo mesmo e com o outro, momentos de fantasia e de realidade, momentos de resignificação e percepção, momento de autoconhecimento e conhecimento do outro, de cuidar de si e olhar para o outro, momentos de vida.

“Em uma sala de aula ludicamente inspirada, convive-se com a aleatoriedade, com o imponderável; o professor renuncia à centralização, à onisciência e ao controle onipotente e reconhece a importância de que o aluno tem uma postura ativa nas situações de ensino, sendo sujeito de sua aprendizagem; a espontaneidade e a criatividade são constantemente estimuladas.” (Almeida, p. 03)

“A ludicidade é uma necessidade do ser humano em qualquer idade... o desenvolvimento do aspecto lúdico facilita a aprendizagem, o desenvolvimento pessoal, social e cultural colabora para uma boa saúde mental, prepara para um estado interior fértil, facilita os processos de socialização, comunicação, expressão e construção de conhecimento” (Almeida, p. 04).

É preciso saber trabalhar com o(a) aluno(a) para que ele(ela) tenha prazer em aprender. Conteúdos estes despertados pelo prazer de querer saber e conhecer. Despertá-los para, com sabedoria, poder exteriorizá-los em sua vida . Afinal, a alegria, a fé, a paz, a beleza e o prazer estão dentro de cada um (a).

Há 500 anos já se propugnava por uma educação escolar que assegurasse o protagonismo do próprio aluno no processo formativo na e para a liberdade bem como a existência de espaços para o exercício da corporeidade, da criatividade e da ludicidade.
Epistemologicamente dir-se-ia que não existe consciência, linguagem, inteligência, antes da ação do sujeito. Isto é fundamental, a nível metodológico e, por isto, é preciso estimular o aluno a agir, a operar,a criar, a construir, superando a repetição, a cópia, a memorização. Concluo com as palavras de Rubem Alves (2006 , p. 86-87) quando diz que,

“A esperança vê o que não existe no presente, existe só no futuro, na imaginação. A imaginação é o lugar onde as coisas que não existe, existem. Este é o mistério da alma humana: somos ajudados pelo que não existe, quando temos esperança, o futuro se apossa dos nossos corpos. E dançamos. O poeta que escreveu esses poemas estava embriagado de esperança. E quem é possuído pela esperança fica grávido de futuros... Aqueles que ouvem a melodia do futuro plantam árvores em cuja sombra nunca se assentarão, mas não importa. Eles se alegram imaginando que as crianças amarrarão balanços em seus galhos...”

Encontre-nos Facebook

Please publish modules in offcanvas position.